Terça, 07 de Dezembro de 2021
11 97652-3241
Cultura Cultura

A artista plástica Duda Oliveira abre a exposição ‘ENREDADOS’ no Centro Cultural Correios RJ com curadoria de Carlos Leal

Obras com 2 metros de altura, que misturam metal naval e sucata, falam de sustentabilidade e de como tudo se liga em redes na sociedade

19/10/2021 19h04 Atualizada há 2 meses
68
Por: Lívia Rosa Santana Fonte: Assessoria de imprensa Paula Ramagem
FOTOS : TONI COUTINHO
FOTOS : TONI COUTINHO
artista plástica niteroiense Duda Oliveira atravessa a Baía para abrir a Exposição "Enredados" no próximo dia 21 de outubro, no Centro Cultural Correios RJ, onde apresenta 6 esculturas e 6 pinturas, com 2 metros de altura, abstratas, feitas com metal naval e sucata, fazendo conversar entre si o orgânico e o material, a  sustentabilidade e a forma como todos se encontram ligados em rede nos tempos atuais, por livre escolha ou não, principalmente após o isolamento da pandemia. A curadoria é de Carlos Leal e a realização da jornalista e crítica de arte Patrícia Toscano (CRIO.Art).
 
"Enredados" convida o observador a pensar sobre as redes das quais faz parte - social, digital, política, econômica e pessoal - e de que forma se comporta dentro delas, por livre escolha ou imposto. Assim como na pesca, onde se joga a rede e o que é pescado ali está sem escolha. Como na obra principal, que leva o nome da exposição, onde os tons de azul e o metal contrapõem as escolhas.   
 
“A escultura e pintura são a minha fuga, um momento em que fico ligada somente em mim. Mas ainda assim, eu consigo materializar a pesca. A minha principal obra é um pescador jogando  sua rede. A vida sempre me levou para esse lado, em todos seus extremos”, diz Duda.
 
Em um processo experimental, Duda Oliveira mergulha tecido de lona crua na Baía de Guanabara, repleta de derivados de petróleo e dejetos de óleos, cujo aquecimento e alimento orgânico, estimularam  a proliferação de fungos, resultando em um esfumaçado plástico natural, comum em suas pinturas. Nas esculturas, a artista reinventa o metal naval, cimento, vergalhões e a madeira inutilizada, em boa parte das obras. Partindo destes experimentos, Duda convida o público a refletir sobre a potência existencial de vida, transformação e esperança no caos. 
 
"Meus quadros possuem sempre marcas da ação do tempo, desgastes, arranhões... Minha       linguagem na pintura está ligada à maneira que o tempo faz seu registro em tudo o que é vivo e   resistente. As cores sempre vibram, como se pulsassem vida e quisessem transpor tempo e espaço,   em um constante paradoxo de vida e morte, existir e possuir, buscas do eu existencial", explica a   artista.
 
FOTOS : TONI COUTINHO
 
Sobre a artista
 
Artista plástica contemporânea, niteroiense, Duda Oliveira estudou arte experimental na Escola de Artes Visuais do Parque Lage, e História da Arte e da Arquitetura do Brasil, na PUC RJ. Desde 2018, vem participando de diversas exposições, com destaque para as Feiras Internacionais da Alemanha, Luxemburgo, em Salas Culturais em Portugal, nos Museus MASP, MAC Niterói e outros importantes espaços culturais do Brasil e do exterior. 
 
A visão literária e poética da pesca levou a escultora  a se aventurar no mundo da Arte e do Direito Ambiental. Filha de um pai pregoeiro de pesca e de mãe bordadeira,  Duda Oliveira exerce o direito ambiental e sua produção artística sofre a influência de pensadores tradicionais e contemporâneos, pelas obras de Jorge Amado, e a arte da pesca na Baía de Guanabara. A proximidade da escultora com o universo da pesca trouxe um forte senso de crítica social e propósitos de defesa dos valores constituídos por esse grupo. 
 
Há 20 anos ingressou na militância do Direito Ambiental, especializando-se em Sociologia Política, para empreender de forma participativa. Com a luta e o árduo trabalho  na carreira de advogada, veio a necessidade de uma terapia alternativa. Foi assim que a arte entrou em sua vida. 
 
Sobre a curadoria
 
Carlos Leal, editor de livros de arte, colecionador de fotografias e curador. Em 2002, fundou a Barléu Edições, voltada exclusivamente para a fotografia e para a arte contemporânea, onde editou cerca de 100 livros de arte, dentre eles Coleção Alberto Chateaubriand e Coleção MAM Internacional. Editou mais de 800 autores de literatura e interesse geral, dentre eles, Antonio Callado, Darcy Ribeiro, Mario Vargas Llosa e Wilson Martins. Depois de quase 10 anos morando entre Europa e Nova York, onde estudou na NYU, volta ao Rio, em 1991, e, em 1993, assume a direção da Editora Francisco Alves, tornando-se seu principal acionista. Começou sua carreira na Livraria Francisco Alves editora, em 1975, como assistente editorial. Foi editor da casa entre 1978 e 1981. 
 
Serviço
 
Artista: Duda Oliveira 
Curadoria: Carlos Leal  
Abertura: 21/10 às 17h 
Período: 21/10 a 04/12/2021 
Dias e horários: Terça a sábados, das 12h às 19h
Local: Centro Cultural Correios Rio de Janeiro  
Endereço: Rua Visconde de Itaboraí, 20 – Centro – Rio de Janeiro  
Contato do local: 21 2253-1580 
Contato sobre a artista, obras e exposição: 21 2018-5570 / 99964-1932 (Te/Cel/WhatsApp)  
Assessoria de Imprensa: Paula Ramagem @_paula_r_soares
Gratuito
Censura Livre
Acessibilidade
Instagram: @dudaoliveiraartista 
Realização: CRIO.ART 
Apoio: Ventania Cultural, Centro Cultural Correios, Ministério da Ciência,
Tecnologia, Inovações e Comunicações e Governo Federal.  
 
 
FOTOS : TONI COUTINHO